Pensamento Alemão

F. NIETZSCHE – A GAIA CIÊNCIA / AFORISMO 84. DA ORIGEM DA POESIA

21558753_369351783499809_7111746816185169482_n.jpg

[…] “Supondo que em todas as épocas venerou-se a utilidade como a divindade suprema, de onde teria vindo a poesia? – essa ritimização da fala, que antes atrapalha do que promove a clareza da comunicação, e que, apesar disso, brotou e continua a brotar em todo lugar desse mundo, como que zombando de toda útil pertinência! […] mediante o ritmo, um pedido humano deveria inculcar mais profundamente nos deuses, depois que as pessoas notaram que a memória grava mais facilmente um verso que uma fala normal; também acreditaram que por meio do tique-taque rítmico podiam ser ouvidas a distâncias maiores; a oração ritmada parecia chegar mais perto do ouvido dos deuses. […] o ritmo é uma coação; ele gera o invencível desejo de aderir, de ceder […]. Quando era perdida a justa tensão e harmonia da alma, era preciso dançar, seguindo a cadência do cantor – era a receita dessa terapia. Melos [melodia] significa, conforme sua raiz, um calmante, não porque seja calmo em si, mas porque seus efeitos acalmam. Resumindo e perguntando: havia, para a antiga e supersticiosa humanidade, algo mais útil que o ritmo? […] sem o verso não se era nada, com o verso, quase um deus. Um sentimento assim fundamental não pode ser inteiramente erradicado – e ainda hoje, após milênios de combate a tal superstição, até o mais sábio entre nós é ocasionalmente turvado pelo ritmo. Não é divertido que mesmo os filósofos mais sérios, normalmente tão rigorosos em matéria de certezas, recorram a citações de poetas para dar força e credibilidade a seus pensamentos? – e, no entanto, uma verdade corre mais perigo quando um poeta a aprova do que quando a contradiz! Pois, como diz Homero: “Mentem demais os cantores!”.

[NIETZSCHE, Friedrich. A gaia ciência. Tradução de Paulo César Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.]

Anúncios