Amor

Desconfronto

22196435_376553739446280_6435805652607782880_n.jpg

Anúncios

LIVRO DAS FACULDADES HUMANAS: 2ª AFIRMAÇÃO

Durante a noite sonhei todos os meus amores envolvidos em um cinema. Amores próximos, distantes, frequentes, dispersos, amores de alta velocidade, amores lentos, unilaterais, vias de mão dupla, plurilaterais, amores de rede, idealizados, realizados, presentes, passados, futuros, intermitentes, contínuos, apostados, lançados, investidos, plantados, colhidos, amores de viagem, amores de terra natal, amores industriais, artesanais, pintados, desenhados, dançados, escritos, ditos, cantados, tocados, disputados, esquecidos, lembrados, amores de penetração, amores que resistem, amores que resisto, amores irresistíveis, amores de gênero, classe, geografia, geração, amores de criação, de tipo de humor, de forma de estar no mundo, de maneiras de gastar o dinheiro, de infância, de adolescência, de atualmente, de velhice, de posteridade, amores belos, de domínio de beleza, feios, egoístas, compartilhados, tecnológicos, certos, incertos, amores de mesmo paladar, gostos diferentes, tristezas diferentes, alegrias diferentes, amores escolares, amores de rua, de casa, de praia, de serra, de discos, livros, vídeos, filosóficos, biológicos, físicos, químicos, linguísticos, musicais, etnográficos, sociológicos, cooperativos, empresariais, anarquistas, comunistas, capitalistas, liberais, conservadores, amores estéticos, ontológicos, científicos, mitológicos, sedentários, nômades, desencontrados, encontrados, descobertos, produzidos, armados, furtados, criminosos, frutos do acaso, rituais, amores entre humanos, entre deuses, entre demônios, entre humanos e deuses, deuses e demônios, demônios e humanos, de parceria, de confronto, de estudo, de desentendimento, de união, focados, desconcentrados, amores destas e de todas as outras ordens que a vida faz nascer ininterruptamente. Todos, até onde pude alcançar, estavam no mesmo cinema, como público que espera para entrar, como funcionários, como atores do filme, como pessoas que passavam pelas escadas rolantes, como aquelas que tive que deixar em casa para ir ao cinema, como aquelas que esperava encontrar no cinema e também aquelas que não esperava. Acordei chorando, lamentando por perceber que alguns daqueles amores, ao compreender o caráter de retorno e eternidade dessa trama, formavam a sensação de que eles não tinham mais lugar. E isso me impulsionou, por tempos, a realizar salvamentos como se eu também sentisse que eles não tinham mais lugar. Mas os lugares proliferam, abundam num jorro cristalino onde existirão quantos forem necessários para que a continuidade prossiga habitando todas as categorias. Essa é a existência. A própria morte é só mais um desses lugares, ocupados por aqueles que foram lançados ao fluxo do tempo, retornando ao presente como saudade (a memória do esquecimento). E, afinal, o que são esses lugares? Afirmações. O amor é a vontade do sim. O amor é sua própria condição e entendi que devo afirmar esses amores exatamente como dizem ser: sem lugar. Porque ao buscar seus lugares, seus eternos próprios, ainda que não saibam, continuarão retornando à existência pelo sim. E por isso os amo.